09.11.2015 - A QEnergia é agora Infocontrol, S.A.  -  Saiba mais
A carregar...

5 passos para dimensionar uma Gaiola de Faraday

5 passos para dimensionar uma Gaiola de Faraday


O dimensionamento de um sistema de protecção contra descargas atmosféricas mediante uma Gaiola de Faraday deverá encontrar-se em conformidade com a EN 62305.


Antes de iniciar o dimensionamento é essencial realizar a análise de risco de acordo com a EN 62305-2 para determinar o nível de protecção do sistema.



 Tabela1 


O nível de protecção do sistema vai determinar as principais características da Gaiola de Faraday, nomeadamente o percurso do condutor instalado na cobertura, a localização e dimensões das hastes captoras, as dimensões do emalhado da cobertura, as distâncias máximas entre baixadas, rede de terra e equipotencializações.

1- Condutor de captura
Deverá ser instalado um condutor ao longo do perímetro da cobertura da estrutura. As dimensões e materiais encontram-se definidos na Tabela 6 da EN62305-3. Tipicamente é adoptado o varão Ø8mm em cobre, aço inox ou aço cobreado por apresentar uma elevada resistência à corrosão. As fixações do condutor à estrutura são normalmente realizadas por blocos de suporte ou fixações para condutor redondo. As ligações entre o varão são realizadas mediantes ligadores por aperto mecânico.


Faraday-imagem2


Faraday-imagem3

                  Tabela 6 da EN 62305-3


2- Localização e dimensões das hastes captoras
A localização, dimensões e materiais constituintes das haste captoras deverão ser definidos de acordo com o ponto 5.2 e Anexo A da EN 62305-3.

 

O raio de protecção conferido pela haste captora é obtido através da altura entre a haste e a superfície a proteger a  multiplicar pela tangente do ângulo obtido pelo gráfico representado abaixo. As curvas do gráfico determinam o ângulo para cada nível de protecção. Todas as zonas susceptíveis de impacto directo de uma descarga atmosférica deverão estar dentro do volume de protecção do sistema. Tipicamente são colocadas hastes nos vértices da estrutura e hastes adicionais posicionadas estrategicamente.

 Faraday-imagem4

        Rp=tg(∝)∙h


 Faraday-imagem5 Faraday-imagem6


3- As dimensões do emalhado da cobertura
A Tabela 2 da EN 62305-3 determina as dimensões máximas do emalhado a instalar na cobertura. O material deverá ser de acordo com o estabelecido no condutor de captura (ponto 1).


Tabela2


4- Distância entre baixadas
Deverão ser instaladas baixadas nos vértices da estrutura e baixadas adicionais distanciadas entre si  de acordo com o nível de protecção adoptado. As distâncias máximas entre si estão definidas na Tabela 4 da EN62305-3. As baixadas poderão ser embebidas, mas deverão ser garantidas as equipotencializações com a estrutura.


Tabela3


5- Rede de Terra e Equipotencializações
Todas as baixadas deverão estar equipotencializadas, constituindo um anel de terra instalado no solo a uma profundidade mínima de  0,8m . O anel de terra é geralmente constituído pelo mesmo material da baixada e junto a cada baixada é instalado um piquet de reforço para melhorar o escoamento da corrente de descarga para a terra. Os materiais admissíveis estão definidos na Tabela 7 da EN 62305-3.


Faraday-imagem7

                       Tabela 7 da EN 62305-3


Os 5 passos para dimensionar uma Gaiola de Faraday são apenas um conjunto de directrizes. Contudo, a elevada complexidade destes sistemas exige um profundo conhecimento das normas em vigor para garantir a instalação de um sistema que realmente proteja as pessoas e bens.


As normas EN 62305 que permitem dimensionar o sistema de protecção contra descargas atmosféricas podem ser adquiridas no Instituto Português da Qualidade.


A QEnergia, em conjunto com os seus parceiros, pode auxiliar na instalação e concepção, através de uma vasta equipa técnica especializada na área de protecção contra descargas atmosféricas e sobretensões.